Apresentação de conjuntos de documentos reveladores das conexões culturais entre Brasil, França, Portugal e Inglaterra.

 

 

Affonso d´Escragnolle Taunay e a História como construtora da identidade nacional

Kelly Keiko Koti Dias - Mestranda em História – IFCH – UNICAMP

 

O inicio do século XX, no Brasil, foi marcado por vários processos culturais, políticos, sociais e artísticos que contribuíram para a construção de uma identidade e memória nacional brasileiras. A história e a literatura tiveram um papel importante na identificação da “brasilidade”, ou seja, na criação de elos que ligassem aqueles que viviam de Norte ao Sul do país. Entre esses vários processos, destaca-se a atuação do historiador Affonso d´Escragnolle Taunay (1876-1958), que buscou enfatizar o lugar do estado de São Paulo na história da constituição da nação. (BREFE, 2005). Leia +

 

 

Diferentes momentos da leitura de Mallarmé no Brasil

Leonardo Saraiva Guerreiro - Mestrando em Teoria e História Literária – IEL – UNICAMP

 

Ainda que não seja propriamente novidade afirmar que um texto poético permite interpretações variadas, quando se trata da obra de Stéphane Mallarmé, este conceito assume uma proporção singular. Ao longo do século XX, seus poemas serviram de plataforma para leituras que o vincularam a estéticas as mais diversas. No Brasil, o percurso da recepção deste poeta frequentemente estigmatizado como difícil transita entre associações com o Parnasianismo, o Simbolismo e o Concretismo. Leia +

 

 

Fontes para o estudo da edição no Brasil: os contratos e recibos da editora B. L. Garnier

Lúcia Granja - UNESP-FAPESP-CNPq

 

Existem várias formas de o passado se presentificar diante de nossos olhos. Elas vão desde a investigação de documentos, narrativas, até a pesquisa indiciária. No mundo dos livros brasileiros, é especialmente necessário que se recorra a vários métodos, uma vez que a história dos editores e edições nos aparece em fragmentos, por meio daquilo que restou de seus contratos, catálogos, recibos, notas, faturas, em meio a outros documentos, trocados entre editores, fornecedores, autores, leitores (ou outros compradores de maior volume). Leia +
Veja os Documentos

 

 

Uma literatura para a infância: a Condessa de Ségur

Priscila Kaufmann Corrêa - Doutoranda em Educação – FE - UNICAMP

 

Nas escolas do Brasil do século XIX até o início do século XX, o francês era ensinado como língua estrangeira da elite culta. Em muitos colégios meninos ou meninas eram estimulados a falar apenas o francês, tendo acesso também a publicações francesas. Entre estas obras figuravam os livros da Bibliothèque Rose (Biblioteca Rosa), uma coleção que se consolidou com as histórias da Condessa de Ségur a partir de 1856. Leia +

 

 

O Romance de Alexandre Dumas no Brasil

Valéria Cristina Bezerra - Doutoranda em Teoria e História Literária – IEL – Unicamp

 

Alexandre Dumas, romancista popular no século XIX, continua exercendo grande fascínio entre os leitores e espectadores da atualidade. Os seus romances estão nos catálogos das mais variadas editoras, em edições originais e adaptadas, para atender o interesse dos leitores diletantes ou do público escolar. As linguagens também variam, com versões em quadrinhos e, sobretudo, cinematográficas. No entanto, o mesmo prestígio que o escritor tem e teve junto ao público não se verifica na crítica e na historiografia de seu tempo e posterior. Leia +